quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Campanha "Leão Amigo da Criança" é lançada no Programa APRAESPI Notícias

A campanha "Leão Amigo da Criança", iniciativa da APRAESPI e da CMDCA - Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente -, foi oficialmente lançada na última terça-feira (20), no Programa APRAESPI Notícias.

Dra. Lair Moura anunciou no programa de rádio a campanha que tem como objetivo incentivar pessoas e empresas da cidade a destinarem parte de seu IR - Imposto de Renda - para entidades registradas no conselho.

Ainda na mesma edição, Lair comentou a reportagem que contestava as declarações do prefeito Clóvis Volpi (PV), onde o gestor afirmava que havia efetuado repasse da verba SUS vinda do Ministério da Saúde equivalente a outubro

Para ouvir o Programa APRAESPI Notícias de 20 de dezembro de 2011, o último ao vivo do ano:
CLIQUE AQUI

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

APRAESPI lança campanha "Leão Amigo da Criança" em Ribeirão Pires





A APRAESPI de Ribeirão Pires e o CMDCA - Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – iniciaram nesta semana a Campanha “Leão Amigo da Criança”, que tem como objetivo incentivar pessoas e empresas destinarem parte de seu IR - Imposto de Renda - para entidades filantrópicas da cidade e registradas no Conselho. 

Até 6% do imposto de renda de pessoas físicas no modelo completo poderão ser abatidos e enviados para o FMDCA – Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente -, órgão que recebe e redistribui os recursos vindos do incentivo fiscal. 

Pessoas jurídicas tributadas pelo lucro real poderão abater até 1% de seu Imposto de Renda devido e doar para o mesmo fundo. 

O prazo para encaminhar as doações dessa parcela do imposto de renda ao FMDCA vai até 30 de dezembro e vale tanto para pessoas quanto para empresas. 


Para que sua destinação de depósito identificado seja direcionado à APRAESPI, é necessário apresentar ao CMDCA, xérox do comprovante de depósito contendo nome, telefone, endereço e CPF ou CNPJ e indicar a APRAESPI como beneficiária da doação.  

A doação será feita ao FMDCA - Conta Corrente “Leão Amigo da Criança”: 
38313-9
Agência: 0869-9 :Banco do Brasil
CNPJ Prefeitura Ribeirão Pires:
46.522.967/0001-34
O comprovante de depósito deverá ser enviado à Instituição indicada que receberá o recurso em janeiro e o doador receberá seu dinheiro de volta na época da restituição do IR.  


CNPJ das Instituições registradas no CMDCA em Ribeirão Pires:

APRAESPI: 
57.621.377/0001-85

ARIS - Associação Ribeirãopirense de Integração Social: 
47335656001-18

Associação Santana - Crianças de Ribeirão Pires: 
04305513/0001-61

Lar Escola Ismênia de Jesus: 
58.222.878/0004-02

INAEB - Instituição Assistencia Eurípedes Barsanulfo - 
53.721.957/0001-93

LEBEM - Lar Espírita Bezerra de Menezes:
43.776.566.0001-12

Obras Sociais Boa Nova:
50.262.732/0001-28

Mais informações: (11) 2504-9050 
(tratar com Erica e Deise)



Esportistas do COPAR recebem homenagem


Dois representantes do COPAR (Centro Ocupacional Profissionalizante Adélia Redivo) foram saudados pelo governador Geraldo Alckmin em evento realizado na última quarta feira, dia 14, no Palácio dos Bandeirantes, na capital paulista.

O treinador Marco Antônio e o jogador de tênis de mesa Geovani de Jesus foram homenageados por compor a equipe que representou o Brasil nos Jogos Para-panamericanos disputados este ano em Guadalajara, no México.  A equipe brasileira foi a que mais conquistou medalhas nas competições de tênis de mesa.

A administradora do COPAR, Fátima Topic destaca a importância dos alunos participarem de competições desse porte. “A participação destes jovens em competições dessa natureza faz com que desenvolvam habilidades e competências nessas práticas esportivas, mas muito mais do que isso, eles aprendem a conviver em grupo e respeitar seu opositor, lidar com perdas e ganhos, ter independência. Essas são qualidades fundamentais para serem bons cidadãos”, concluiu.

O governo Federal atualmente apoia quatro alunos do COPAR com o programa Bolsa Atleta, onde o esportista recebe incentivo financeiro de R$ 945,00 mensais caso conquiste posição de destaque em campeonatos regionais oficiais.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Prefeito Volpi ainda não efetua repasse da verba SUS para APRAESPI

O prefeito Clóvis Volpi (PV) em entrevista ao jornal “Folha de Ribeirão Pires”, publicado em 13 de dezembro, garante que a Prefeitura de Ribeirão Pires já fez o repasse da enviada pelo Ministério da Saúde para a APRAESPI e ainda afirma que em sete anos de governo, já enviou mais de R$34,2 milhões para a Instituição.
 
No entanto, as declarações do prefeito não foram confirmadas na prática. O repasse de outubro não foi efetuado, conforme apontam documentos apresentados pelo Banco do Brasil, onde a Administração Municipal deveria depositar os valores que a APRAESPI tem por direito. No extrato financeiro da conta bancária da entidade, de 01 até 14 de dezembro não consta nenhum depósito por parte da prefeitura.
 
Na conta que a APRAESPI possui na Caixa Econômica Federal também não foi constatado nenhum repasse. Portanto, se comprova que não houve o pagamento.
 
Em relação aos R$34,2 milhões que Clóvis Volpi afirma ter enviado a APRAESPI, essa quantia na realidade foi obtida pela própria entidade através de um convênio junto ao governo federal. O gestor não teve nenhum mérito na conquista desse investimento que é da Região do ABC, e não só de Ribeirão Pires.
 
Os valores da verba SUS são enviados para a prefeitura, que é obrigada a repassá-los para a entidade conveniada em até 15 dias.
 
Essa não é a primeira oportunidade que o prefeito Volpi atrasa o repasse das verbas do convênio que a APRAESPI conseguiu junto ao Ministério da Saúde.
Neste ano, a Prefeitura de Ribeirão Pires desrespeitou os termos do convênio e encaminhou a verba fora do prazo em todos os meses. A parcela referente a março só foi recebida pela APRAESPI após 35 dias de espera, enquanto a de outubro já é aguardada há mais de 40 dias.
 
Segundo William Simi, advogado da instituição, o Ministério Público teve de ser acionado por diversas vezes para fazer com que o gestor cumpra sua obrigação.
 
Ainda na mesma reportagem, o prefeito afirma: “Tão logo a Câmara aprove o projeto de remanejamento de verbas, a APRAESPI receberá o recurso”. O presidente da Câmara Municipal Gerson Constantino (PSD), em entrevista ao “Jornal APRAESPI Notícias”, admitiu estar espantado com tal declaração.
 
“Quero deixar bem claro que não temos nenhum projeto de remanejamento na casa. Pelo que foi dito na reportagem, dá a entender que o projeto já está na casa para ser aprovado, quando na verdade não está. Nós votaremos tão logo o projeto chegue a casa, mas por enquanto nada nos foi passado”, finalizou Constantino. 
 
Dra. Lair Moura, superintendente da APRAESPI, se mostra descontente com os últimos acontecimentos: “A APRAESPI lamenta que prefeito tenha chegado a esse ponto e aguarda providências que serão tomadas pela Promotoria”, completou Lair. 

Dra. Lair faz novos pedidos ao ministro da Saúde Alexandre Padilha

A superintendente da APRAESPI, Dra. Lair Moura, em conversa com o ministro da Saúde Alexandre Padilha, reiterou o pedido de aumento do teto regional do SUS e ainda informou que as verbas que o ministério envia para a entidade não são devidamente repassadas pela Prefeitura de Ribeirão Pires.

O encontro aconteceu em 13 de dezembro na Assembléia Legislativa de São Paulo, onde estava sendo realizada uma audiência pública que mostrava os planos do governo federal para o combate ao crack e outras drogas.

Após a audiência, o ministro recebeu a Dra. Lair e tomou conhecimento do atraso por parte da prefeitura para repassar os investimentos destinados à APRAESPI. Padilha afirmou que irá tomar providências para solucionar o caso. 

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Prefeito Volpi gasta dinheiro do SUS que deveria ser repassado à APRAESPI

A Instituição foi obrigada a contrair empréstimo junto a Caixa Econômica Federal para honrar seus compromissos com funcionários e fornecedores 

Os recursos do SUS destinados pelo Ministério da Saúde para a APRAESPI – Associação de Prevenção, Atendimento Especializado e Inclusão da Pessoa com deficiência -, foram gastos pela Prefeitura de Ribeirão Pires. A parcela equivalente a outubro não foi repassada para a Instituição pela Administração Municipal. 

A APRAESPI mantém um convênio com o Ministério da Saúde para oferecer atendimento especializado às Pessoas com deficiência, além de fornecer aparelhos auditivos e ortopédicos, cadeiras de roda e outras próteses e órteses, pelo SUS. 

O Ministério paga através de procedimentos para a prefeitura de Ribeirão Pires, que por lei deve repassar o dinheiro para a Entidade conveniada em cinco dias. No entanto, esse repasse não se efetivou, o que prejudica todas as atividades desenvolvidas pela APRAESPI. 

O recurso referente ao mês de outubro encontra-se depositado na Diretoria de Finanças da Prefeitura desde 03 de novembro. Ao entrar em contato com a Secretaria de Finanças para cobrar o envio dessa verba, a resposta que a APRAESPI recebeu é que a Prefeitura não tem dinheiro para pagar o que a Instituição tem por direito. 

A prefeitura ainda respondeu que para o recurso ser repassado para a Entidade, será necessário a aprovação dos vereadores em uma sessão extraordinária, já que se encontram em recesso. 
Sem contar com a agilidade e vontade política por parte da Prefeitura para resolver a questão, a APRAESPI paliativamente recorreu à Caixa Econômica Federal, contraiu um empréstimo para assim pagar os 326 funcionários e fornecedores.

Dra. Lair Moura, Superintendente da APRAESPI, avalia os fatos: “A APRAESPI entende que há um descompromisso do Poder Público e agora depende dos Vereadores que já estão em recesso para resolver a questão. É um gasto que poderia ter sido evitado, já que deveria ter havido provisão para o pagamento à APRAESPI. Na verdade, todas as Secretarias da Prefeitura estão precisando de um ‘choque de gestão’ para maximizar os recursos em políticas públicas de qualidade”, completou. 

William Simi, advogado da APRAESPI, afirma que entrará com representação junto ao Ministério Público para tomar as providências necessárias em relação aos desmandos do Prefeito Clóvis Volpi.

Jornal APRAESPI Notícias - Edição nº.013 - Dezembro/2011

Acompanhe a edição do Jornal APRAESPI Notícias de dezembro 2011Destaques:
  • Prefeito Clóvis Volpi não repassa verba do SUS para APRAESPI
  • Dra. Lair solicita aumento no teto SUS para ministro da saúde Alexandre Padilha
  • Leonice Moura relata as conquistas de 2011 
  • Dra. Lair Moura traz o programa Educasus para Ribeirão Pires



Ministério da Saúde lança perfil do câncer para 2012

O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), do Ministério da Saúde, divulgou no último dia 24, a publicação Estimativa 2012 – Incidência de Câncer no Brasil. O estudo, que serve para orientar as políticas públicas para o setor, aponta uma estimativa de 520 mil casos novos da doença para o próximo ano. As estimativas destacam os tipos mais incidentes nas regiões brasileiras, caso do câncer de pele não melanoma, próstata, mama e pulmão.
“A divulgação das estimativas disponibiliza aos gestores de saúde e, especificamente, aos da atenção oncológica, informações fundamentais para o planejamento das políticas públicas de forma regionalizada”, disse o diretor-geral do INCA, Luiz Antonio Santini.
Desconsiderando o câncer de pele não melanoma – tumor com baixa letalidade -; entre o sexo masculino o câncer de próstata permanecerá como o mais comum, seguido pelo de pulmão, cólon e reto, estômago, cavidade oral, laringe e bexiga. Já nas mulheres, a glândula tireoide, de modo inédito, aparece no quinto lugar geral, atrás do câncer de pele não melanoma, mama, colo do útero, cólon e reto. Na sequência, vêm os tumores de pulmão, estômago e ovário.
“A melhoria na qualidade dos exames de investigação em casos suspeitos, contribui para a exatidão do diagnóstico do câncer da tireoide. Isso se reflete no aumento do número de casos desse tipo de tumor”, explicou a responsável pelo serviço de endocrinologia do INCA, Rossana Corbo.
A novidade dessa edição é que foram incluídas sete novas localizações de tumores no estudo: bexiga, ovário, tireoide (nas mulheres), Sistema Nervoso Central, corpo do útero, laringe (nos homens) e linfoma não Hodgkin – os dois últimos muito noticiados recentemente por terem acometido, respectivamente, o ex-presidente Lula, o ator Reynaldo Gianecchini e a presidente Dilma Rousseff.
Os especialistas consideram as estimativas a principal ferramenta de planejamento e gestão da saúde pública na área oncológica no Brasil. Isso porque fornecem as informações necessárias para a elaboração das políticas públicas de saúde voltadas para o atendimento da população.
Investimento – O Ministério da Saúde (MS) vai fechar o ano de 2011 com investimento de R$ 2,2 bilhões para a área de atenção oncológica. Este aumento de recursos serviu para ampliar e melhorar a assistência aos pacientes atendidos nos hospitais públicos e privados que compõe o SUS, sobretudo para os tipos de câncer como fígado, mama, linfoma e leucemia aguda.
Só para esse ano, o orçamento do MS destinou cerca de R$ 261 milhões a ações de prevenção ao câncer de mama (R$ 176 milhões) e de colo de útero (R$ 85 milhões). Dos últimos 12 anos pra cá, os gastos federais com a assistência oncológica no país quadruplicou, passando de R$ 470, 5 milhões (em 1999) para R$2,2 bilhão.


Fonte:
Jornal Mais Notícias

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Programa APRAESPI Notícias dos dias 29 de novembro e 06 de dezembro já disponíveis para audição.

A inclusão do aluno com deficiência na redes pública de ensino foi tema dos debates realizados nas duas últimas edições do Programa APRAESPI Notícias, exibidos respectivamente nos dias 29 de novembro e 06 de dezembro na Rádio Pérola da Serra 87,5FM em Ribeirão Pires.

No último programa de novembro, estiveram na rádio Eunice, mãe do aluno Matheus, e Sidney, pai do aluno Lucas, ambos da Escola Valentino Redivo. Além dos pais, que mostraram suas experiências com a escola pública, participaram também do debate a professora Cristiane Tasaka e a coordenadora escolar Alexandra Santos. 

Já na edição exibida essa semana, as convidadas foram a diretora técnica da APRAESPI Leo Moura e a professora Renata Valéria, do COPAR. Também do Centro Ocupacional Profissionalizante Adélia Redivo, vieram os alunos Igor Banhara e Jason Moura, que apresentaram para o ouvinte a realidade que viveram no período em que estudavam em escolas estaduais na cidade de Rio Grande da Serra. 

Programa APRAESPI Notícias - O Canal de Comunicação do Cidadão - Toda terça-feira das 11h à 12h  na Rádio Pérola da Serra 87,5FM em Ribeirão Pires.


Para ouvir a edição de 29 de novembro:
CLIQUE AQUI


Para ouvir a edição de 06 de dezembro:
CLIQUE AQUI

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

APRAESPI reúne secretarias de Saúde do ABC em busca de recursos para a região

02 de Dezembro de 2011


Um encontro de representantes das Secretarias de Saúde dos municípios da região do Grande ABC, realizado na sede da APRAESPI (Associação de Prevenção Aten­dimento Especializado e Inclusão da Pessoa com Deficiência de Ribeirão Pi­res), a convite da superintendente da entidade, Lair Moura Sala Malavila Jusevicius, teve por objetivo discutir sobre a necessidade de aumento do recurso liberado pelo Ministério da Saúde destinado à reabilitação de deficientes, sejam auditivos, neurossensoriais ou físicos.

Os representantes da secretaria são uma peça chave para a resolução do problema de falta de recurso e de filas de espera. Para que uma petição chegue ao Ministério, o Conselho Municipal de Saúde de Ribeirão Pires, por sediar o hospital referência em tal atendimento especializado, deve votar favorável a ampliação dos recursos e encaminhar o pedido para uma esfera estadual, que, por sua vez, seguirá os tramites burocráticos até que a petição chegue nas mãos de Alexandre Padilha, ministro da Saúde.


Há alguns anos, quando houve uma descentralização da Saúde nas esferas Federal, Estaduais e Municipais, a responsabilidade do município aumentou. Ribeirão Pires, detinha um repasse de R$ 7 milhões e o Ministério, baseado em relatórios, cortou quase R$ 2 milhões do investimento. Agora, a APRAESPI espera que os gestores municipais compreendam a necessidade de tal investimento no cuidado da reabilitação em todas as sete cidades do ABC.



Para se ter uma ideia, quase 1.500 pessoas hoje, em toda a região, esperam na fila por atendimento que varia desde aparelhos auditivos até próteses e órteses. Enquanto hoje, a verba aplicada na área é de R$ 5 milhões, um relatório da entidade mostra que seriam necessários quase R$ 12 milhões/ano para acabar com a fila de espera.

Leonice Moura, também da direção da APRAESPI, reforça a necessidade das secretarias se unirem para angariar o recurso junto ao Ministério. “Somos prestadores de serviço e lutamos pelas causas dos deficientes. O plano de trabalho tem que ser compactuado. Queremos chegar a um acordo e alinhar as informações”, apontou.

Após a reunião, os representantes se mostraram interessados em levar a discussão adiante, entendendo que o assunto deve ser uma prioridade. “O grupo entendeu e está unido para promover o melhor para a região”, reconheceu Lair.

O momento para buscar tal recurso é completamente oportuno. Em um recente discurso, a presidente Dilma Rousseff (PT) prometeu um investimento de R$ 7 bilhões para a reabilitação.

Fonte:

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Dra. Lair Moura é premiada com certificado de excelência em gestão hospitalar

A superintendente da APRAESPI, Dra. Lair Moura Sala Malavila Jusevicius, foi premiada com o certificado de excelência na gestão da Santa Casa de Batatais, onde ocupa o cargo de provedora. O certificado foi entregue a Lair no evento do Programa CPFL de Revitalização dos Hospitais Filantrópicos, realizado em 28 de novembro, na cidade de Campinas.

As 42 entidades presentes no evento estavam dividas em três categorias de certificação que determinavam o nível de qualidade em gestão hospitalar: Ouro, Prata e Bronze. A Santa Casa de Misericórdia de Batatais foi enquadrada na categoria Ouro, qualificação máxima nos critérios de avaliação da CPFL.

Desde que assumiu a vaga de provedora da unidade, Dra. Lair Moura batalhou para garantir maiores benefícios à população de Batatais e Região. A última conquista de destaque foi a emenda que garante verba de R$100 mil para a aquisição de novos equipamentos, obtida com a contribuição do deputado estadual Baleia Rossi (PMDB).

Segundo pesquisa divulgada em março do ano passado, dos 500 hospitais que prestam atendimento aos usuários do SUS, a Santa Casa de Batatais está entre os 45 melhores avaliados, sendo reconhecida inclusive pelo então governador de São Paulo, José Serra (PSDB). 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Curta a APRAESPI no Facebook